Visualizações

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Poeta dos meus sonhos




Sonhei ser a musa de Quintana
sentado na escrivaninha,
ele me olhava,
buscando inspiração para escrever


No rádio tocava a nossa música:
Como é grande o meu amor por você!

Pareceu-me tão real
Toquei suas mãos
Fitei seus olhos risonhos.

Acordei com o dia amanhecendo
lembrei do sonho,
da sua voz me dizendo:
"Tão bom morrer de amor e continuar vivendo."


(JOANA TIEMANN)

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Maledicência



A maledicência é uma mulher de boca grande
sem decência, julga
sem conhecimento, espalha boatos

A maledicência é palavra solta ao vento
alimento para ratos

A maledicência não tem escrúpulos
Não conhece a justiça
atiça quem se deixa enganar

A maledicência é mulher cheia de vaidade
maquia a verdade

A maledicência só não é mais má que a intriga
A intriga se faz de amiga
arruma a cama pra você deitar.

(JOANA TIEMANN)


quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Primavera (Das quatro estações a mais bela)

Passei outono cultivando estrelas
Plantei no inverno minhas quimeras
agora abandono
Vou me encontrar primavera
Colher pitangas nos pomares
Ver brotar miçangas nas janelas
Viver reprise
deslizes
chegadas e esperas

Todos meus dias verão sóis
e ouvirão somente vozes sinceras.

Ah! Quem me dera
ser girrassol
luz e inpiração
Anunciação de uma nova era.

(JOANA TIEMANN)


quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Bipolar

Ando feliz demais para parar
Triste para seguir

Será que sou bipolar?

Vivo meus sentimentos aos extremos
Tenho alma inquieta
Uma completa confusão para meu entendimento

Estou sorrindo agora
Saio lá fora
e até o cantar dos pássaros pode me fazer chorar

Será que sou bipolar?

Tempos difíceis esse nosso
Não posso
ser boa e má
louca e santa
alegre e triste
que a medicina insiste diagnosticar:
Bipolar!

(JOANA TIEMANN)

sábado, 7 de setembro de 2013

Ápice da emoção

Sobre os lençóis da nossa cama
acendemos a chama da paixão
sabor perene do desejo
teu beijo
dita o caminho da emoção
nossos corpos se caçam
mãos carregadas de malícia
se entrelaçam
roupas jogadas pelo chão
atestam sentimentos vividos
libido, carinho, excitação

Neste momento somos poesia
ousadia rimada
paixão
a fome do corpo e da alma
um sentimento que consome
que só se acalma
depois de atingirmos o ápice da emoção.

(JOANA TIEMANN)

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

A vida sem amor é insuficiente

Além dos muros da indignação Existe um mundo em construção
Ele é meu, mas pode ser seu também.
A vida é tão fugaz não viverei meus dias refém do que não me faz bem.
Já ignorei detalhes e me arrependi Hoje sei que são eles que me mostram o caminho a seguir
Já acreditei que morreria de amor
Agora creio que o que é mortal é a ausência dele.

Meu temperamento não é de julgar
Falo por mim
Só sei ser gente amando incondicionalmente
não sou de ficar na superfície
ignorando as profundezas dos sentimentos.

A vida sem amor é insuficiente!

Às vezes me deparo com ações
que colocam à prova minhas certezas
Mas sei que provações
fortalecem o coração.

Por mais que outros sentimentos
confundam meu entendimento
Enquanto eu souber amar
terei com o que me embriagar.

(JOANA TIEMANN)

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Setembro

(S)aboreio tua chegada
(E)sperada por mim
(T)ens poesia nos teus dias
(E) flores nos jardins
(M)istura cores
(B)urrificas aromas sem fim
(R)omânticas são tuas noites
(O)ceano de sonhos Querubins.

(JOANA TIEMANN)