Visualizações

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Jovens tardes de verão

Era sentada na areia que ela olhava a imensidão do mar
Gostava de perder-se naquele azul vida
Ondas quebravam no rochedo lúbrico e gélido
Espumavam memórias perdidas
Memórias de uma tarde de verão
Na calmaria daquele momento
Reinava a certeza do querer ficar
De eternizar sonhos
Mergulhar no infinito
O sol sobrevoava o horizonte
Espalhava com sua tinta
Gotas famintas
Cegava o olhar
Cúmplice, o entardecer
Chegava fazendo travessuras
Com sua face rubro rosa
Soprava frescura
Esperava (com olhos de ternura)
O último mergulho do astro rei

(JOANA TIEMANN)

domingo, 18 de setembro de 2011

Sabor café

Sentiu o calor das mãos
O dedilhar leve, envolvente
Orquestrando a mais linda sinfonia
Nos sabores intensos
O gosto do café
Insinuam-se murmúrios
Sensações ecoam em folhas de cetim
Desejos esgueiram-se por entre falsos muros da alma
O silêncio de um sorriso é a resposta
O tempo escorre
Deixa em cada minuto a dose certa de ingredientes
Seladas pelo calor daquelas mãos

(JOANA TIEMANN)

terça-feira, 13 de setembro de 2011

Tons de azul

Depois daquela tarde
Nada mais seria como antes
Uma história escrita nas asas de um anjo
Agarrada à reticências
Sonhava ver o infinito naquele olhar
Soltar versos em um mar de carinho
Escrever a estrofe mais bonita
Letras desenhadas em tons de azul
Não couberam as palavras
Somente sorrisos, ternuras e fragmentos de duas vidas
O entardecer trouxe a doçura do encantamento
Como o último raio de sol
Partiu

(JOANA TIEMANN)

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Cheiro de primavera

Sinto cheiro de primavera no ar
Um aroma que inebria
Sinto cheiro de flores
De todas as cores
Flores atrevidas
Cravos, rosas e margaridas
Sinto cheiro de harmonia
Pétalas exalando perfume
Como se fosse costume
Semear alegria
Pressinto a chegada 
De um tempo bom
Tempo de calmaria 
De flores brotando na rua
Alimentando pássaros
Florindo casas... Minha e tua
Sinto que é chegado o momento
Do frio e o escuro dar lugar a cor
De trazer novos ventos
Sentimentos
Que soprem a nosso favor

(JOANA TIEMANN)

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Um amor de verão

Da janela ela olha
 A chuva que cai lentamente
Pingos salgados e quentes
Refletem lágrimas
Gotas de cristal transparente

Na vidraça embaçada
Uma imagem esculpida a dedo
No coração dolente
Um segredo

A água que rola pelo chão
Congela o olhar
Lembranças de um amor de verão
Elo partido
Amores de verão se vão

As nuvens que trouxeram o pranto
Levam com elas
Desencanto
Finda a tempestade

Para amanhã uma nova previsão
De céu claro
De um dia quente
De um novo amor de verão

(JOANA TIEMANN)